Youtubers de viagem morrem em cachoeira, no Canadá

Ryker Gamble, Alexey Lyakh e Megan Scraper, youtubers de viagem do canal Hight on Life, acabaram sendo vítimas de um acidente fatal, na Shannon Falls, cachoeiras nas proximidades de Vancouver, no Canadá. A fatalidade aconteceu na segunda-feira, 2 de julho.

Os youtubers de viagem, que tinham entre 20 e 30 anos, nadavam na área mais alta da queda d’água quando acabaram sendo arrastados pela correnteza. Os jovens despencaram de uma altura de cerca de 30 metros.

As autoridades locais organizaram uma operação de resgate, mas foram necessários dois dias para encontrar os corpos dos youtubers.

Os familiares das vítimas confirmaram que eles tinham ido à cachoeira à trabalho, a fim de gravar um vídeo para o canal, que conta com mais de 500 mil inscritos.

Apesar da fatalidade, essa não foi a primeira vez que os integrantes do canal estiveram envolvidos em situações de risco em nome do trabalho. Segundo a CBC, em 2016, Gamble e Lyakh foram banidos de uma série de parques nacionais nos Estados Unidos depois de serem filmados passeando em um local perigoso, em Yellowstone.

Familiares e amigos dos youtubers

Segundo os responsáveis pelo resgate, o acidente aconteceu quando Megan Scraper perdeu o equilíbrio e os dois rapazes tentaram ajudá-la. Os três, no entanto, acabaram sendo arrastados pela força da água.

Os demais integrantes da equipe do canal lamentaram a morte dos youtubers e publicaram na plataforma uma mensagem para homenagear os amigos que morreram. Segundo eles, os três eram pessoas calorosas, amáveis, motivadas e extrovertidas, como eles jamais conheceram.

Uma pena uma notícia tão triste! Nós esperamos que os familiares, os amigos e os fãs dos youtubers guardem as boas lembranças e se sintam consolados pelas manifestações de carinho e de apoio que estão recebendo de internautas do mundo inteiro.

Agora, falando em histórias trágicas envolvendo youtubers, você precisa conferir ainda: Namorado de Nara Almeida faz homenagem emocionante à memória da Youtuber.

Fonte: M de Mulher, Diário de Notícias