Maternidade

Diabetes gestacional, o que é? Diagnóstico, riscos e tratamento da doença

O aumento do nível de glicose no sangue causa a diabetes gestacional, assim o diagnóstico pode ser feito na primeira consulta do pré-natal.

Por Kariny Bianca

-

Você tem medo de adquirir diabetes gestacional? Calma, antes de mais nada, é preciso entender que essa doença pode ser tratada ou evitada, antes de se tornar um problema grave.

Em síntese, os níveis de glicose no sangue durante a gravidez podem ocasionar riscos para o bebê e a futura mamãe. Por isso, é necessário entendermos melhor sobre a diabetes gestacional, um problema que tem atingido a maioria das grávidas nas últimas décadas.

Ademais, tudo depende do histórico familiar, ganho de peso excessivo ou idade materna mais avançada. Isto porque, o médico deve avaliar os motivos, tratamentos e fatores de risco.

O que é Diabetes gestacional?

A intolerância aos carboidratos é a principal característica das Diabetes mellitus gestacional (DMG), mais conhecida como diabetes gestacional. De modo geral, essa doença é diagnosticada pela primeira vez durante a gravidez, e talvez pode permanecer até 3 anos após o nascimento do bebê.

Glicemia
Casa da Doula

Causada pela disfunção metabólica em mulheres, esse tipo de diabetes corresponde a 90% dos casos durante a gestação. Ao contrário, a diabetes mellitus (DM) do tipo 2 atinge somente 8%. A saber, as mulheres que adquirem a diabetes gestacional tem mais chances de desenvolver a doença após o parto.

As alterações no metabolismo são muito comuns durante a gravidez, visto que podem provocar o desenvolvimento de resistência á insulina (RI). Ainda mais, esse processo é mediado pelos hormônios da placenta, que são responsáveis pela distribuição adequada de glicose para o feto.

Desse modo, as mulheres que já engravidam com esse problema, seja por obesidade ou síndrome policísticos, possuem a tendência de agravamento da resistência à insulina.

Fatores de risco

A diabetes gestacional configura um risco maior quando acompanhada de outras complicações durante a gravidez. Segue abaixo alguns fatores de risco que podem prejudicar a saúde do bebê e da gestante.

Diabetes gestacional
Alesp
  • Histórico familiar de diabetes em parentes de primeiro grau;
  • Síndrome de ovários policísticos;
  • Possuir idade acima de 35 anos ou mais;
  • Gordura corporal excessiva;
  • Ter sofrido abortos sequenciais;
  • Medir menos que 1 metro e meio;
  • Obesidade, ganho excessivo de peso ou sobrepeso;
  • Pré-eclâmpsia na gravidez atual ou hipertensão.

Como resultado, os riscos para o bebê envolvem desde o desenvolvimento excessivo no ventre, traumas no feto, internação após o nascimento e maiores chances de uma cesária de emergência.

Diagnóstico da diabetes gestacional

Em suma, o diagnóstico da diabetes gestacional é feito por meio do exame de glicemia em jejum. Geralmente, esse pedido é feito pelo médico na primeira consulta de pré-natal.

Glicemia em jejum
Banco da Saúde

Por conseguinte, se o resultado for igual ou superior a 126 mg/dL, a gestante é portadora de Diabetes tipo 2. Caso o número apresentado seja entre 92 mg/dL e 126 mg/dL, a mãe recebe o diagnóstico de diabetes gestacional.

Nos dois casos, deve ser feita uma segunda dosagem para confirmar o diagnóstico. Sobretudo, se a glicemia apontar um número abaixo de 92 mg/dL, a gestante deve refazer o exame no segundo trimestre, aproximadamente na 24ª e a 28ª semana de gestação.

Prevenção e tratamento

Em síntese, uma alimentação saudável e exercícios físicos diariamente podem ajudar na prevenção da diabetes gestacional. Além disso, os carboidratos simples devem ser extremamente evitados, como por exemplo o pão branco, açúcar refinado e o arroz branco.

Diabetes gestacional
Dra Tânia Gewehr

Nesse sentido, dê prioridade ao consumo de vegetais, legumes e grãos integrais. Se bem que não adianta melhorar a alimentação e continuar sedentária.

Lembre-se de praticar pelo menos 30 minutos de corrida ou exercícios aeróbicos todos os dias. Antes de tudo, siga as orientações médicas, respeitando a dieta e as atividades físicas.

Além das especificações de prevenção, o tratamento depois do diagnóstico envolve o cálculo do consumo calórico semanal, substituição do açúcar por adoçantes artificiais e o controle da glicemia. Isto é, o médico pode passar uma medicação com insulina injetável e fármacos orais.

Controle de glicemia em casa

Ao receber o diagnóstico de diabetes gestacional, a gestante precisa medir a glicemia capilar, aquela feita pela pontinha do dedo. Em média, essa checagem deve ser feita de 4 a 8 vezes ao dia, isto depende da orientação médica.

Diabetes gestacional
Hemocord

Considera-se os valores e condições abaixo como o ideal:

Jejum:  ≤95mg/dL
1h após refeição: (pós-prandial) ≤140mg/dL
2h após refeição: (pós-prandial) ≤120mg/dL

Ademais, cada paciente pode receber orientações médicas específicas, já que cada organismo reage de forma diferente. Por isso, é importante se adequar aos novos hábitos alimentares e observar a resposta do corpo ao tratamento. Qualquer alteração incomum, procure o seu médico imediatamente.

O que achou da matéria? Se gostou, confira também: Anemia na gravidez, como evitar? Causas, sintomas, riscos e alimentação

Fontes: Hilab e Dra. Suzana Vieira

Imagens: Healtheoz, Casa da Doula, Alesp, Banco da Saúde, Dra Tânia Gewehr e Hemocord

Próxima página »

Escolhidas para você