Agosto dourado: campanha que incentiva a amamentação

O aleitamento materno não é só uma oportunidade de estreitar os laços entre mãe e bebê. Na verdade, a amamentação está ligada à nutrição, a segurança alimentar e até mesmo à redução da pobreza e é por isso que o Agosto Dourado foi criado em 2017.

Para quem não sabe do que se trata, o Agosto Dourado se trata de uma campanha feita em homenagem à Semana Mundial da Amamentação, comemorada anualmente entre 1º e 7 de agosto. Mas, como algo tão importante merece mais que 7 dias de atenção, o mês de agosto inteiro passou a ser dedicado à conscientização do assunto e à troca de experiência entre mães que estão vivendo a fase do aleitamento.

Só para que você tenha ideia da importância da amamentação (e da criação do Agosto Dourado), o leite materno deveria ser o único alimento para o bebê até os seis meses de vida, segundo especialistas. Isso porque o leite materno é capaz de prevenir doenças, reduzir a mortalidade infantil e de fortalecer o sistema imunológico das crianças.

Celebridades e o Agosto Dourado

Como a amamentação pode acabar se tornando um grande desafio para muitas mulheres, famosas que já passaram ou que estão passando por essa fase também fazem parte do Agosto Dourado. Em suas redes sociais, elas compartilham suas experiências sobre a amamentação, desde as mais recompensadoras até as mais frustrantes ou desafiadoras.

Abaixo, você confere alguns dos depoimentos.

Fernanda Gentil

“Já que estamos na semana do aleitamento materno: Eu achei que amamentar fosse tão automático quanto ser mãe – se quando nasce um filho, nasce uma mãe, então essa mãe vai amamentar. Não necessariamente. Talvez não se tiver mamilos invertidos, prótese, redução de mama, se sentir muita dor, o leite não descer ou secar – e o meu secou. Para uma mãe que sempre sonhou em viver o momento mágico-de-filme do filho mamando no peito, do olho no olho, da mãozinha segurando o nosso dedo, a notícia da mamadeira cai como uma bomba. Chorei, me julguei e repassei a gravidez inteira na minha cabeça tentando descobrir onde errei; se foi o chocolate que comi, a noite que não dormi ou aquela longa escada que subi. O meu sofrimento durou até eu dar a primeira mamadeira. Foi quando descobri que eles também olham no nosso olho e a mãozinha também segura o nosso dedo quando mamam na “dedêra”. Descobri também que esse é um assunto polêmico e não estou aqui para polemizar. Até porque o melhor cenário é o leite materno! Claro! Mas o pior é não ter leite; nem do peito da mãe, nem de outro peito, nem da lata. Então nessa semana tão importante, vamos valorizar o aleitamento materno, o alheio, ou apenas o ato de alimentar. E de amar. Porque se eu posso usar minha imagem para ajudar principalmente tantas mulheres na mesma situação que eu vivi, meu recado é esse: amamentar é fundamental. Mas quem não consegue não é menos mãe. E essa foi a minha melhor descoberta: o amor que bate no peito, bate também na mamadeira.”

Rafa Brites

“Como foi difícil aprender a amamentar. Essa foi uma das primeiras,ainda estava exausta depois de 20 horas de parto.
Não, não acho que nascemos sabendo e essa ideia que deve ser algo natural me assombrou, me sentia incompetente por não conseguir achar a posição certa, a tal da pega… ué achei que era só dar o peito e o bebê se virava mas não, tinha que segurar certo. Segurei ate ter tendinite nos dois braços, feridas nos dois seios. Mastite, candidiase mamária… torrada de peito (quando coloquei a pomada (oleosa e fui para o sol), misturei as dicas kkkk. Colocava uma fralda de pano na minha cara pra ele não ver eu chorando enquanto amamentava. Pq eu sentia muita dor. Afff me arrepia lembrar. Quando a casquinha da ferida gruda no sutiã, e tiramos correndo pq o bebê tá chorando…
Mas depois de uns 3 meses dessa foto. (Sim passei meses de perrengue). Aprendi. Aprendemos. Aí sim tenho fotos lindas amamentando. Aquelas do nosso imaginário, bucólicas.
Amamentei 7 meses até que meu filho quando começou a comer frutinhas perdeu o interesse. Eu entendo mães que no meio do processo desistem. Mas É TÃO IMPORTANTE que digo que valeu a pena. Digo também que as campanhas de amamentação deveriam ter mais a pegada do não desista do que do amamentar é dar amor. (Pq essa frase acaba com a nossa cabeça também). PRECISAMOS DE CAMPANHAS REAIS. Hoje é o dia mundial da amamentação… foi uma experiência e tanto pra mim. E pra vc? Me conte aqui.
MINHA MELHOR DICA que recebi esvazie o peito antes de dar. Eu tirava só gotas até descobrir que para o mamilo ficar lá no palato mole do bebê tem que tirar muiiito pra ficar bem molinho, caso contrário escorrega”.

Samara Felippo

“Tive duas amamentações bem diferentes, cada uma da sua forma, cada uma com a sua demanda. Não foi nada fácil pra mim, nenhuma das duas, mas foi de grande aprendizado e muito amor. AMAmenta”

Sheron Menezzes

“Essa lembrança linda é para celebrar o início da Semana Mundial da Amamentação… Amamentei exclusivamente no peito até os 7 meses e meio ( passarinho não aceitou bem a introdução alimentar ) e continuo amamentando… Não foi fácil no começo. Tive dor, bico rachado, bico sangrando, peito empedrado… Cansa, mas depois que tudo isso passou, descobri o prazer da amamentação e se tornou a coisa mais deliciosa, os momentos mais maravilhosos do meu dia, quando ficamos olho no olho, corpo com corpo, respirando na mesma sintonia. Pretendo amamentar meu guri ate os 2 anos de idade ou mais, e, enquanto Benji quiser, sempre terá um colo quentinho e um mamazinho gostoso esperando por ele. Tente, insista! Nossos bebês merecem esse cuidado e esse carinho! É pra toda a vida! Amamentação é a base da vida”.

Tainá Müller

“Hoje é o dia mundial da amamentação. Nada foi tão desafiador. Nada foi tão mágico. Nutrir quem você mais ama com alimento do próprio corpo tem algo de sagrado. E nada de glamouroso. Força para todas as lactantes desse mundo que abdicam de todo o resto para estarem disponíveis para suas crias. Força para as mulheres que tentaram e não conseguiram. Respeito absoluto às que simplesmente não quiseram. E quanto a mim, às vezes ainda sonho que amamento e secretamente torço para que meu filho lembre alguma coisa do que vivemos durante esse 1 ano e 3 meses de ocitocina. E para quem quer muito amamentar, mas está prestes a desistir, busque apoio. Vale a pena.”

E então, você já tinha ouvido falar sobre o Agosto Dourado? E a respeito da importância do aleitamento materno, você já conhecia? Não deixe de conferir.

E, por falar maternidade, você precisa conferir ainda: 6 mudanças drásticas que acontecem no corpo depois do parto.

Fonte: Jornal Metro, Jornal Metro