Kefir: como fazer o iogurte que aumenta imunidade e combate a candidíase

Você pode até não saber o que é, mas, com certeza, já ouviu alguém falando em kefir alguma vez na vida. Para quem não está familiarizado com o termo, sua aparência é bem parecida com a do leite coalhado, seu sabor é o de iogurte e, na verdade, ele é produto da fermentação de bactérias minúsculas e muito benéficas ao organismo.

Além de ser saboroso e ajudar no emagrecimento, o kefir atua ainda como uma espécie de antibiótico natural, matando as bactérias ruins e cultivando as boas. É assim, por exemplo, que ele tem um excelente papel contra a candidíase, por exemplo.

E os benefícios do kefir estão longo de parar por ai. O alimento ainda ajuda a deixar o sistema imunológico mais resistente, sem contar que melhora a flora intestinal.

Agora, se você já está maluca para começar a consumir kefir, a primeira coisa que você precisa saber é que ele é um organismo vivo e que precisa ser cultivado em casa. Outro ponto importante é que o kefir não é vendido, mas suas “mudas” ou “colônias” são compartilhadas. Existem até grupos sobre isso na internet, sabia?

Como fazer kefir?

Depois que você consegue sua porçãozinha de kefir, você precisa cultivá-la e fazê-la aumentar. Para isso, nada melhor que fornecer alimento à colônia, que podem ser dois: leite ou água, dependendo de que tipo de kefir ela é.

Kefir de leite

Esse tipo precisa do leite de vaca ou de cabra para sobreviver, mas você também pode usar outros tipos de bebida láctea para alimentá-lo, como iogurte, leite de soja e até mesmo leite de coco.

Para mantê-lo vivo, você deve colocar em um pote de conserva de vidro uma colher de sopa de seus grãos com duas xícaras de leite (ou de qualquer outra opção que acabamos de citar). Então é só tapar o pote com um pano vazado, como um tule, e deixá-lo na geladeira.

Entre 36 e 48 horas, a mistura vai começar a fermentar. O que deve ser consumido é o líquido fermentado, que deve ser coado. Por se tratar de bactérias que se alimentam do leite, o resultado final vai ficar bem parecido com um iogurte, que pode ser consumido dessa forma, transformado em queijo e usado em vários tipos de receitas, como de pão.

Os grânulos que ficaram na peneira, no entanto, são o próprio kefir devem ser guardados novamente no leite, como ensinamos.

Kefir de água

Se o seu kefir for o de água, para alimentá-lo você precisa, basicamente, seguir os passos do anterior, mas usando água de coco ou água mineral com açúcar mascavo ou demerara. Esse, aliás, é a melhor opção para os alérgicos ou intolerantes a lactose.

Depois de pronto, você pode consumir a água como acha melhor, como em sucos, por exemplo.

Como cultivar?

Como os grãos de kefir não são consumidos, sua colônia vive para sempre se receber os cuidados corretos. Mas, claro, o líquido que a alimenta precisa ser trocada sempre.

O kefir também pode tanto ficar em fermentação contínua como ser desidratado e congelado para uso posterior. Daí é só descongelar os grãos e deixá-lo dentro da mistura que o alimenta de acordo com seu tipo.

Cuidados especiais

. Não devem ser usados recipientes ou talheres de metal para conservar ou preparar o alimento da colônia, já que o material pode atrapalhar no produto final.

. Depois de pronto, o kefir precisa ficar na geladeira e ter a água ou o leite armazenado, para que os microrganismos não morram.

. Caso a parte consumível passe mais de 36 horas sem contato com o substrato, é preciso descartá-la.

E então, que tal começar a cultivar seu próprio kefir e deixar o sistema imunológico turbinado? Se você já tem um ou se sabe onde conseguir um muda desses micro-organismos, não deixe de nos contar nos comentários.

Agora, falando em comidinhas de dieta (que são probióticas), veja também: como fazer iogurte natural caseiro.

Fonte: Vix, Temperando