O que o bebê sente no útero quando a mãe tem relações?

As grávidas podem ou não ter relações íntimas durante a gravidez? Essa é uma pergunta antiga e que deixa muitos casais grávidos apreensivos, sem saber o que o bebê sente no útero materno durante esse ato físico.

Em entrevista ao site Bolsa de Mulher, a ginecologista e obstetra Flávia Fairbanks explicou que desde que a gestação não seja de risco, a resposta é simples e positiva: não há problema algum em manter relações íntimas durante a gravidez. As únicas ressalvas são as mamães submetidas à fertilização artificial, que devem esperar o final dos três primeiros meses; e aquelas que recebam ordens expressas do médico.

Mas, e dentro da barriga, o que acontece durante a relação? O bebê sente no útero, alterações causadas pelo ato?

Conforme Flávia, embora não existam estudos que comprovem, exatamente, o que o bebê sente no útero, é possível afirmar que influências são percebidas dentro da barriga da mãe. Mas, aos papais que ficaram assustados, o motivo não é de preocupação.

Segundo a médica, só é preciso ficar em alerta se a mãe sentir dor e perceber sangramento ou corrimento fora do normal. No mais, como você vai ver na lista, nada afeta negativamente a criança.

Descubra o que o bebê sente no útero quando a mãe tem relações:

1. Movimentação

5

Todos os movimentos mais bruscos que a mãe faz ou sente durante as relações íntimas o bebê sente no útero. Mas, calma, que não é nada demais: são apenas chacoalhões. Isso não é um problema.

2. Frequência cardíaca

2

Outra coisa que o bebê sente no útero é o reflexo do aumento da frequência cardíaca da mãe: uma espécie de contrações, devido à maior irrigação de sangue na região íntima e do útero da mulher.

Em gestações de baixo risco, não há qualquer risco para o bebê, conforme afirmam os obstetras. Segundo tais especialistas, o próprio corpo da mulher se organiza para contornar os efeitos dessas contrações.

3. Efeito dos hormônios

3

Durante as relações íntimas, são liberados alguns hormônios, como a ocitocina e a adrenalina. Esse último, aliás, é diretamente responsável pelo aumento do batimento cardíaco da mãe.

E, embora haja ainda um terceiro hormônio, a dopamina, este não ultrapassa a placenta e, portanto, não reflete no bebê. Mesmo assim, esse hormônio não faria qualquer mal à criança, já que a dopamina só desperta boas sensações, como a de recompensa.

4. Clímax

4

E durante no clímax? Conforme especialistas, o que o bebê sente no útero é uma espécie de abraço bem apertadinho. Isso, obviamente, não faz qualquer mal, já que o “bebê está preparado para ficar apertadinho”.

Interessante, não? Agora, nada animadores são outras coisas que podem acontecer na gestação, como você confere nessa outra matéria: O que acontece se a mulher fumar na gravidez?

Fonte: Bolsa de Mulher