Tipos de parto: veja quais são eles e como escolher o melhor

Muito além do parto normal e da cesárea, existem vários outros tipos de parto, cada um com suas vantagens. Conheça todos eles para escolher.

A forma como um bebê virá ao mundo é sempre uma questão importante e que vem carregada de dúvidas, principalmente para os pais de primeira viagem. Muito além do parto normal ou cesárea, existem também outros tipos de partos, cada um com suas vantagens.

Quando se fala em parto, a maioria das pessoas só lembram do parto normal ou da cesariana. Mas a verdade é que a medicina tem evoluído cada vez mais e com isso, surgido novas formas de dar à luz. E a tendência é que com o passar dos anos, esse número aumente cada vez mais.

Então, com outras opções de partos, vem uma dúvida ainda maior: qual escolher? Por isso, vamos conhecer melhor cada um dos tipos de parto para que você tenha uma noção de como é cada um deles e suas vantanges.

Quais são os tipos de parto que existem?

Ao todo, até o momento existem 9 tipos de partos. A seguir, vamos conhecer cada um deles para que você possa escolher o melhor para você e para o bebê:

1. Parto normal

O tipo de parto mais conhecido e convencional, no qual a mãe entra em trabalho de parto naturalmente. Na maioria dos casos, isso acontece entre 37º e a 42º semana de gestação.

De modo geral, o parto normal é indicado para todas mulheres grávidas, mesmo que seja um pouco mais dolorido, é melhor para a mãe e o bebê. Isso porque o corpo da mulher foi preparado para isso ao longo da gravidez, e por isso ela se recupera mais rápido. Além disso, o risco de necessidade de intervenções na mãe e no bebê é bem menor.

2. Parto natural

Uma dúvida comum é sobre a diferença entre parto normal e parto natural. No parto natural, a mãe é que é a responsável por todo processo, tendo participação ativa ao trazer o bebê ao mundo. Então, nessa modalidade, é o corpo da mulher que dita o rimo das coisas, tendo o mínimo de intervenção médica possível, como anestesia ou algum medicamento para acelerar as contrações.

Aliás, o parto pode ser feito em casa, desde que acompanhando por profissionais especializados. Sendo assim, as chances de efeitos colaterais para a mãe e o bebê são ainda menores do que no parto normal.

3. Cesariana

Já a cesariana, que também um dos tipos de partos mais comuns de todos, é um dos que mais trazem riscos para a mãe e o bebê. Não por acaso que a cirurgia cesariana só é indicada em casos que não é possível fazer o parto normal. Então, é feita um corte na barriga da mulher para remover a criança do útero.

Então, como se trata de uma cirurgia, o parto de cesárea requer jejum antes do procedimento, mas a mãe pode ficar acordar para vivenciar o momento do nascimento. De modo geral, a escolha pelo parto de cesárea só deve ser feito em situações como: quando o bebê está sentado, quando o cordão umbilical está enrolado no pescoço ou se a mãe tiver alguma complicação médica. 

4. Na água

O parto na água é uma das opções mais confortáveis de todas, tanto para a mãe quanto para o bebê. Isso porque a água proporciona uma melhor circulação sanguínea, relaxamento dos músculos e facilita a dilatação do colo uterino. Sendo assim, o parto tem menos dores e a mãe vivencia uma sensação de conforto e bem-estar. Quanto ao bebê, no parto na água ele passa por um processo nada traumático, com pouca luz e pouco barulho externo.

No entanto, para optar por esse tipo de parto, a mulher deve ter tido uma gestação livre de riscos ou complicações. E também deve recorrer a um hospital com esse tipo de serviço, já que o parto deve sempre ser acompanhando por um profissional preparo. 

5. Parto de cócoras

No caso do parto de cócoras é um dos mais rápidos de todos. Devido a mãe ficar agachada, o bebê tem a ajuda da gravidade para sair do útero. Além disso, dar a luz nessa posição também ajuda no relaxamento da musculatura do abdômen e da pelve. Nesse tipo de parto, também é possível dar à luz sem a necessidade de anestesia.

Então, se você ficou interessa nesse tipo de parto, saiba que ele demanda alguns requisitos. Por exemplo, o colo do útero deve estar bem dilatado, o bebê precisa estar posicionado com a cabeça para baixo e não ter mais que 4 quilos. Além é claro, da mulher ter tido toda uma gravidez saudável e sem complicações.

6. Parto Leboyer

Também chamado de parto sem violência, o parto Leboyer tem como foco evitar o estresse do bebê. Sendo assim, o parto deve ser feito em uma ambiente parecido com o útero materno, muito silencioso, quentinho e com pouca luz. Ele pode ser feito tanto via vaginal, cesariana ou na água.

A diferença fica por conta do pós parto que conta com alguns cuidados especiais, que visam facilitar a transição do bebê de dentro da barriga da mãe para o mundo. Então, normalmente é feito massagens nas costas do bebê para estimular os pulmões, amamentação precoce, e o cordão umbilical só é cortado depois que ele para de pulsar.

7. Parto com Fórceps

O também chamado parto por vácuo extrator é uma modalidade onde é usada um instrumento para a retirada do bebê da barriga da mãe. Esse método só deve ser considerado em casos extremos, quando é muito difícil retirar o bebê de outra forma, e que ele já esteja em sofrimento fetal ou que a mãe não consiga fazer forças para a descida do canal vaginal. Nesse caso, são ajustadas duas pás na cabeça do bebê para puxá-lo para fora.

8. Parto humanizado

Já o parto humanizado não é propriamente um tipo de parto, mas sim um procedimento onde o respeito à gestante é o foco. Então, basicamente é um parto mais humano e menos hospitalar, por assim dizer.

No parto humanizado a mulher escolhe onde dará à luz, que irá acompanhá-la, a melhor posição, se tem luz ou não, se será feito com o uso de banheira, anestesia entre outros detalhes importantes. Contudo, mesmo assim é fundamental a presença de um médico durante o processo.

9. Cesariana humanizada

Por fim, a cesariana humanizada que segue basicamente o conceito do parto humanizado, mas que por outras razões a gestante deve passar pela cirurgia. Sendo assim, o parto passa por algumas adaptações, e a mãe pode escolher formas de deixar o ambiente da sala de cirurgia o mais confortável possível para ela. E o bebê é entregue a mãe logo após o nascimento, e o cordão umbilical só é cortado quando para de pulsar.

Como escolher o melhor tipo de parto?

Como vimos, existem uma boa quantidade de opções de parto, mas cada uma delas com suas características, vantagens e requisitos. Então, a escolha do melhor tipo de parto depende de alguns fatores específicos de cada gravidez. 

Mas de modo geral, independente de qual tipo de parto escolher, o ideal é ter o máximo de informações possível. Então, converse com o seu obstetra e equipe médica sobre as opções, vantagens e desvantagens de cada um, procure relatos de mães que já passaram por isso. Também é bom contar com o apoio da família nessa escolha, então converse com os familiares sobre as opções que tem em mente.

Desse modo, estando ciente de tudo, com a ajuda de uma equipe médica de confiança e com o apoio da família, o parto tem tudo para ser um sucesso, se tornando um dos momentos mais especiais da sua vida. 

LEIA MAIS: 

Como calcular a data provável do parto

Trabalho do parto – O que é, estágios, dicas e curiosidades

Prematuro – Tudo sobre o parto e os cuidados com bebê prematuro

Comer placenta? Conheça a prática tão popular entre celebridades

Puerpério, o que é? Mudanças físicas, psicológicas e depressão pós-parto

Bebê empelicado: entenda esse fenômeno raro

Fontes: Blog Leiturinha Lillo Be Generous Crescer 


Outras postagens

0 0 votos
Dê a sua opinião

guest
0 Comentários
Feedbacks
Ver todos os comentários