É por isso que não se deve cortar o cordão umbilical logo depois do parto

Você, provavelmente, sabe que a função do cordão umbilical é ligar o bebê à placenta da mãe, durante a gestação. É por meio dele que o sangue passa para a criança, junto com o oxigênio e os nutrientes essenciais para o desenvolvimento do feto.

Mas, engana-se quem pensa que a função do cordão umbilical termina imediatamente após o parto, seja ele de que tipo for. Na verdade, o corte ou o clampeamento do cordão umbilical logo depois do nascimento do bebê pode ser bem traumático para a criança e compromete, em vários sentidos, o desenvolvimento do recém-nascido.

Estudos recentes mostram que, nos primeiros instantes depois do nascimento, o ainda recebe oxigênio pelo cordão umbilical até que o pulmão comece a funcionar devidamente. Mas, não é só por isso que é preciso esperar algum tempo antes de separar completamente mãe e bebê depois do parto.

De acordo com especialistas no assunto, a recomendação é esperar o cordão umbilical parar de pulsar para ser cortado. Essa regra, inclusive, está inclusa nas novas diretrizes do SUS para o parto humanizado.

Aguardar esse tempo, como você vai ver na lista abaixo, pode proporcionar inúmeras vantagens para a saúde física e para o desenvolvimento neurológico do bebê.

Por que não se deve cortar o cordão umbilical imediatamente:

1. Risco de anemia

Cortar ou clampear o cordão umbilical imediatamente depois do parte impede que quase 100 ml de sangue da placenta fique no corpinho do bebê. E, se você acha que essa é uma pequena quantidade, fique sabendo que ela é equivalente a um terço do sangue do corpo do recém-nascido.

A consequência disso, obviamente, são os riscos aumentados da criança desenvolver anemia.

2. Melhora da coordenação motora

Estudos mostram que o simples fato de esperar pelo menos 3 minutos antes de clampear o cordão umbilical do recém-nascido depois do parto melhorar a coordenação motora fina e até mesmo as habilidades sociais do bebê.

3. Transplante natural

Conforme pesquisa da Universidade do sul da Flórida, nos Estados Unidos, provou que esperar o cordão umbilical parar de pulsar antes de cortá-lo garante o transplante de células-tronco. Esse processo, aliás, é conhecido como transplante natural.

4. Desenvolvimento neurológico

Estudos mostraram também que esperar para cortar o cordão umbilical dá tempo do recém-nascido receber até 25% do sangue da placenta.

Esse simples fato reduz as chances de hemorragia cerebral e, em longo prazo, melhora o desenvolvimento neurológico da criança e até mesmo dos níveis de ferro do organismo.

E então, você sabia que retardar o corte do cordão umbilical poderia ser tão benéfico para a criança?

Agora, em assuntos relacionados à gestação, essa outra matéria pode ser também muito curiosa: Para onde vai o xixi e o cocô do bebê na barriga da mãe?

Fonte: Vix