Amor

O que é relacionamento abusivo? Como identificar e o que fazer

Aprender a identificar o que é um relacionamento abusivo pode fazer a diferença para te ajudar ou salvar uma vítima de seu agressor.

As discussões envolvendo o relacionamento abusivo vem ganhando cada vez mais visibilidade e espaço importante na mídia. Mesmo que o assunto fosse pouco abordado antigamente, hoje em dia, torna-se cada vez mais necessário falar sobre a situação e os perigos causados pelo envolvimento. Mas afinal, o que é relacionamento abusivo?

Apesar do assunto ganhar mais atenção, existem ainda diversas pessoas que não entendem seu teor, muito menos sabem identificar um. Assim, aprender mais sobre o problema é essencial para salvar muitos.

Antes de mais nada, é preciso entender que um relacionamento abusivo não precisa, necessariamente, ocorrer em relações amorosas. Muitas vezes, as vítimas sofrem abuso pela família, em seus ambientes de trabalho e entre amigos. A configuração da violência não é jamais apenas física: na maioria das vezes, ela é psicológica e, principalmente, emocional. Seja como for, a dor sentida consegue ser tão grande quanto, causando destruição e traumas difíceis de superar.

Muitas vezes, ao passar por um relacionamento abusivo, torna-se difícil identificar por si só os sinais de abuso, bem como ter uma visão completa da relação. Conseguir se distanciar o suficiente para obter um panorama de tudo aquilo que ocorre é essencial para buscar ajuda o mais rápido possível. Nesse sentido, conhecer os sinais vermelhos de um relacionamento abusivo pode fazer a diferença em sua vida, ou na daqueles próximos de você.

O que é relacionamento abusivo?

O que é relacionamento abusivo
Fonte: SEJUSP

Primeiramente, um relacionamento abusivo configura toda e qualquer possível relação de poder excessivo sobre o outro. Além da constante tentativa de mandar em alguém, surgem também as atitudes nocivas e ordens verbais com o intuito de humilhar e crucificar. As situações podem ser sutis o suficiente para que a vítima não perceba a mudança, o que a condiciona à sua nova rotina, de forma que o agressor adquira controle sem que nada de diferente seja suspeitado.

Os alertas mais óbvios para o problema consistem na constante manipulação, intimidação, abuso de poder, punição, jogos de poder, violência psicológica e humilhação. Tudo isso pode ser considerado abusivo, e exercitado o suficiente para que se torne o “novo normal” da vítima. Por ser mais comum do que o imaginado, relacionamentos abusivos muitas vezes podem ser disfarçados de cuidado extra, passando despercebidos.

Possíveis fases de um relacionamento abusivo

O que é relacionamento abusivo
Fonte: Capricho

Por acontecerem na maioria das vezes de forma velada, as agressões de um relacionamento abusivo ocorrem em fases, constantemente circulando entre a manipulação e o controle. Tudo pode começar com o constante julgamento das roupas utilizadas, bem como ciúme excessivo, checagem das redes sociais e amizades e além disso, vitimização do agressor. O abuso pode seguir essa ordem ou não, mas muitas vezes se tornam um ciclo vicioso, que deixa a vítima cada vez mais fragilizada.

  • Fase 1: Em um primeiro momento, as agressões costumam ser verbais, no formato de ofensas, xingamentos, gritos, crises de ciúme e humilhações. A violência psicológica é a mais presente, bem como a manipulação e o controle. Assim, torna-se difícil para a vítima identificar o abuso, já que seu psicológico é lentamente destruído.
  • Fase 2: Existem ainda situações onde a violência psicológica evolui para a violência física. Beliscões, tapas, socos e empurrões são comuns, e a situação se agrava o suficiente para que as marcas da agressão tornem-se visíveis. Quando possível, muitas vítimas saem da relação neste momento, pedindo separação e denunciando seus agressores. Todavia, a realidade infelizmente não compreende muitos.
  • Fase 3: Com a insegurança da vítima, o agressor sente que aos poucos perde seu controle. Surge então a última instância do abuso, conhecida como “fase lua de mel”. Aqui, o arrependimento é constante, manipulando a vítima de forma que ela acredite que o comportamento abusivo jamais acontecerá novamente, justificando a situação por meio de amor. Após acreditar nas mentiras do abusador, muitos voltam para a fase inicial dos abusos.

Sinais de um relacionamento abusivo

Fonte: Bem Paraná

De forma que seja possível identificar o que é relacionamento abusivo, determinadas situações podem ser analisadas, bem como a frequência com a qual elas ocorrem. Muitas são sutis o suficiente para que a vítima não seja capaz de notar o perigo da situação. Assim, é crucial que quem passa por uma relação manipuladora tenha apoio daqueles próximos de si.

  • Ciúme obsessivo;
  • Constrangimento em público;
  • Opiniões constantemente invalidadas;
  • Sentimento de culpa diário;
  • Infidelidade e conflitos amorosos normalizados;
  • Controle da vida financeira;
  • Sentimento de posse;
  • Ameaças constantes do que pode acontecer caso você denuncie;
  • Abuso de poder (racismo, machismo e preconceito no geral);
  • Necessidade constante de saber onde o outro está;
  • Distanciamento da família;
  • Julgamento do passado.

Outros alertas

Fonte: Psitto

Existem ainda outros sinais mais específicos que permitem identificar um relacionamento abusivo. Seja como for, é importante entender que nada começa com agressões psicológicas ou físicas intensas em um primeiro momento da relação. A evolução é gradual, fragilizando a vítima aos poucos, tornando-a indefesa e cada vez mais acostumada com os abusos sofridos.

1 – Excesso de amor

Um dos comportamentos padrão do agressor consiste em sua capacidade de encantar e seduzir a vítima. No caso de relacionamentos amorosos, é comum que ele se apresente como alguém romântico, extremamente apaixonado e capaz de fazer tudo por quem ama. A autoestima da vítima é constantemente alimentada, além dela ser colocada em um pedestal, cegando-a para os problemas iminentes. As grandes provas de amor, declarações e manifestações exageradas são alguns dos exemplos do que é feito pelo abusador sem espontaneidade.

Mas afinal, como aprender a diferenciar o excesso de amor do aviso de perigo? Normalmente, as manifestações de adoração grandiosas costumam ser precedidas de dias negativos, como brigas, agressões, humilhações e ciúmes. Assim, a demonstração surge de forma que possa “tapar o buraco”, silenciando o desentendimento. Uma das características mais letais de um relacionamento abusivo é o dia da semana ou mês marcado por amor, porém rodeado de situações nocivas.

2 – Teia de abuso

Uma das melhores definições de um relacionamento abusivo é a de que ele se assemelha a uma teia. A vítima, apesar de ser incapaz de perceber, encontra-se presa por fios praticamente invisíveis, mas paralisantes. Ela é construída aos poucos, de forma discreta, já que quanto mais imperceptível, maior e mais poderosa ela se torna. O agressor se aproveita da ignorância da vítima para construir sua estratégia, esperando até o último segundo para capturar sua presa.

3 – Superproteção

Outro dos grandes sinais do que é relacionamento abusivo consiste na superproteção. Mesmo que se assemelhe a um cuidado digno de respeito, disfarçado de proteção e carinho, a realidade prova ser diferente. Passado certo tempo, a atitude solícita torna-se uma arma de depreciação e chantagem. A tal proteção é utilizada para justificar a incapacidade da vítima, acusando-a de ser fraca e incapaz de realizar até mesmo as tarefas mais simples. Isso ocorre, porém, pelo fato do agressor acabar com seus direitos de decidir sua vida por si só.

Assim, é essencial manter a própria independência, seja ela emocional, financeira ou de círculos sociais. Dessa forma, perder seus direitos torna-se cada vez mais difícil, impedindo o agressor de agir e tomar conta de sua vida.

4 – Necessidade de mudança

Além da constante manipulação emocional e psicológica, o agressor também se utiliza da imposição para controlar até mesmo as menores decisões da vítima. De nada se assemelham às críticas construtivas: em um relacionamento tóxico, sugestões de mudança são moralistas, sempre seguindo os critérios do que é belo e bom do abusador. O ponto de vista do outro deve sempre ser colocado acima do seu, sendo as insinuações óbvias e cada vez mais absurdas.

5 – Chantagens e ameaças

Mesmo que da forma mais sutil possível, situações onde chantagens e ameaças são inseridas na vida da vítima são extremamente comuns. Normalmente, elas se apresentam na ordem psicológica, apelando sempre para a vergonha, culpa e abandono. Chantagens emocionais costumam ser principalmente perigosas, já que são capazes de paralisar a vítima e torná-la incapaz de agir a respeito da situação. Todavia, as ameaças podem ser físicas também. O que realmente importa é fragilizar o outro o máximo que o abusador conseguir.

O que fazer para sair de um relacionamento abusivo?

O que é relacionamento abusivo
Fonte: Universa

Por mais difícil que possa ser, sair de um relacionamento abusivo ainda é possível. O primeiro passo é identificar os sinais e saber que, se preciso, você pode procurar ajuda. Acima de tudo, além de desfazer a relação com seu agressor, buscar ajuda psicológica na terapia e apoio daqueles próximos de si é crucial. Assim, recuperar aos poucos sua autoestima e segurança torna-se mais fácil, coisas minadas por abusos contínuos.  Fortalecer a inteligência emocional é essencial para evitar cair no ciclo vicioso novamente.

Em seguida, é preciso reforçar cada vez mais a realização de que a culpa jamais foi sua. A manipulação emocional trabalha de forma que seja difícil entender que os erros não foram ocasionados por atitudes suas, mas sim por atitudes tóxicas partidas do agressor. Novamente, empoderar-se e resgatar suas melhores qualidades assume um papel importante para que a noção volte a fazer sentido para você.

Conversar com pessoas que também já passaram por relacionamentos abusivos é uma boa forma de aprender a identificar outros comportamentos nocivos de um agressor. Assim, qualquer repetição da situação deixa de acontecer, a superação da tristeza do outro servindo como combustível para sua própria recuperação.

Acima de tudo, lembre-se que você não está sozinha. Caso conheça alguém passando por um relacionamento abusivo, busque ajudar a pessoa da melhor forma possível. Existem ainda serviços públicos para ajudar quem sofre de violência psicológica e/ou física em um relacionamento. Denuncie anonimamente discando 180, na Central de Atendimento da Mulher.

Se você se interessou por essa matéria sobre o que é relacionamento abusivo, aproveite para conferir 14 alertas para identificar um relacionamento abusivo

Fontes: Psicologia Viva, Zenklub, Vittude, Febracis

Imagens: Finanças Femininas, Bem Paraná, Universa, Capricho, Psitto, SEJUSP

Próxima página »

Escolhidas para você

Comentários

0 0 votos
Dê a sua opinião

guest
0 Comentários
Feedbacks
Ver todos os comentários

Escolhidas para você