Beleza

Radiofrequência no rosto, quem pode fazer e para que serve?

A radiofrequência no rosto é um procedimento que utiliza um equipamento com fonte de calor para estimular a produção de colágeno da pele.

Uma opção muito indicada por esteticistas e dermatologistas para retardar os sinais de envelhecimento é a radiofrequência no rosto.

Esse é um tratamento estético que por meio de um aparelho com fonte de calor consegue agir na pele para estimular a produção de colágeno. Sendo assim, melhorando a elasticidade da pele e a hidratação, bem como corrigindo as linhas de expressão. Além disso, é um procedimento não invasivo, seguro e com resultados satisfatórios, já que aumenta a circulação sanguínea e mantém a pele firme  rejuvenescida.

No entanto, para garantir a segurança do procedimento, ele deve ser realizado por um dermatologista ou esteticista especializado em radiofrequência. Isso porque feito de forma errada por resultar em queimaduras no rosto.

Enfim, a seguir vamos entender melhor como funciona a radiofrequência no rosto, seus benefícios e para quem ela é indicada.

Para que serve a radiofrequência no rosto?

A radiofrequência no rosto tem como principal finalidade combater os primeiros sinais de envelhecimento do rosto. Sendo assim,  pode ser feita nas regiões ao redor dos olhos e da boca, na testa, maçã do rosto, queixo a papada. Essas que são áreas que a pele tende a ficar mais flácida com o tempo.

Portanto, ela é indicada para tratar a flacidez da pele, que pode dar um aspecto de cansaço e até mesmo mudar o contorno do rosto. Também rugas e linhas de expressão, que são tão incomodas para a maioria das pessoas. Veja aqui como as rugas se formam.

Além disso, pode ajudar no tratamento de cicatrizes de acne. A radiofrequência tem várias finalidades, além do rosto, esse procedimento também pode ser feito em outras partes do corpo, como coxas e barriga, já que também pode ser indicada para combater celulite e gordura localizada. Aliás, conheça também a criofrequência, outro tratamento indicado para acabar com as gordurinhas.

Quem pode fazer?

De modo geral, a radiofrequência no rosto pode ser feita em todos os tipos de pele e em pessoas adultas e saudáveis. Além disso, para fazer o procedimento a pele deve estar íntegra, ou seja, sem feridas ou infecções.

Então, ela é indicada principalmente para quem quer eliminar as linhas de expressão, que começam a aparecer por volta dos 30 anos ou aquela mais profundas, comum aos 40 anos de idade. Além do combate aos sinais do envelhecimento, esse tipo de tratamento também pode ser recomendado para pessoas com cicatrizes de acne. Confira aqui 8 formas de prevenir a cicatriz de acne.

Por fim, para pessoas que tem uma papada que incomoda muito, a radiofrequência no rosto também pode ser indicada. Isso porque ela ajuda na produção de colágeno na região, consequentemente aumentando a firmeza da pele do rosto e disfarçando o volume da papada.

Preparação para fazer radiofrequência no rosto

Apesar de se tratar de um procedimento relativamente simples, a realização da radiofrequência no rosto também exige alguns cuidados prévios. Tais como:

  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas nos dias que antecedem a sessão.
  • Preparar a pele, fazendo o uso de hidratantes faciais durante 6 semanas antes do procedimento.
  • No dia da sessão, não utilizar maquiagem ou cremes no rosto.
  • Além disso, não pode barbear ou depilar a região no dia da sessão.
  • No caso de histórico de herpes labial, avisar o profissional responsável pelo procedimento.
  • Tratamentos como peeling ou laser no rosto devem ser evitados pelo menos duas semanas antes de fazer a radiofrequência no rosto.

Aproveite para conferir tudo sobre o peeling, desde os benefícios até as contraindicações.

Como é feito o procedimento?

Como dito anteriormente, esse tipo de procedimento deve ser feito por um dermatologista ou esteticista especializado em radiofrequência no rosto. Então, por ser algo simples e indolor, não tem necessidade de anestesia.

O procedimento funciona com o equipamento de radiofrequência emitindo ondas eletromagnéticas que ultrapassam a pele, chegando até a camada de gordura, localizada entre a pele e o músculo. Desse modo, ele aumenta a temperatura da área, o que aumenta também a circulação sanguínea e a oxigenação dos tecidos. Como consequência, estimula a formação de fibras de colágeno, essas que proporcionam firmeza e sustentação à pele.

Os resultados não demoram a aparecer, podendo ser notados em até 3 dias após a realização da primeira sessão. Além disso, eles são progressivos, ou seja, quanto mais sessões, melhores serão os resultados.

Quantas sessões são necessárias?

A quantidade de sessão varia de paciente para paciente, até porque cada caso é um caso. No entanto, de modo geral são indicadas pelo menos 3 sessões, que devem ser realizadas com um intervalo de pelo menos 15 dias e no máximo 30.

Então, a partir das sessões mínimas, o profissional pode observar como a pele reagiu ao tratamento e se devem ser feitas mais sessões para atingir o resultado almejado pelo paciente. Ou seja, para eliminar as rugas mais profundas.

Sendo assim, após o paciente atingir o seu objetivo, pode ser indicado a cargo de manutenção, sessões a cada 3 ou 4 meses, apenas para manter os resultados.

Cuidados no pós

Após a realização das sessões de radiofrequência no rosto, tem alguns cuidados que o paciente deve seguir. Primeiramente, é recomendado o uso de protetor solar diariamente, fazendo a reaplicação quando necessária. Aliás, aprenda como escolher o melhor protetor solar para você. E também tomar muita água, no mínimo 2 litros para manter a pele hidratada.

Além disso, deve-se manter os cuidados diários com a pele. Ou seja, usar creme antirrugas diariamente e tomar colágeno hidrolisado. Tudo isso irá ajudar para ter os melhores resultados possíveis.

Quais são os riscos de fazer a radiofrequência no rosto?

Apesar de ser considerado um procedimento seguro, ainda assim tem os seus riscos. Ainda mais no rosto, que é uma das áreas do corpo mais sensíveis e com maior risco de queimadura.

Então, o equipamento deve ser manuseado sobre a pele de forma rápida e com movimentos circulares. Bem como o profissional deve checar constantemente a temperatura da pele, para que não passe dos 42 graus. Isso porque temperaturas acima podem causar marcas de queimadura na pele.

Enfim, no caso de algum acidente e houver alguma queimadura na pele, a recomendação é tratar o local afetado com cremes para queimadura. Além é claro, de só continuar com a radiofrequência no rosto após a pele se recuperar completamente.

Para quem não é recomendada?

A radiofrequência no rosto não pode ser feita por algumas pessoas com condições específicas. Tais como, problemas de coagulação, diabetes, síndrome de Cushing ou que tenham tomado Roacutan nos últimos 2 meses. Além disso, o procedimento também não é recomendado nos seguintes casos:

  • Gravidez;
  • Pessoas que fazem o uso de remédios do tipo corticoides;
  • Quando a pessoa tem marcapasso;
  • Em pele com feridas ou infecções;
  • Áreas com tatuagem ou maquiagem definitiva;
  • Quando a pessoa faz uso de prótese metálica nos ossos da face ou obturação metálica nos dentes;
  • Em pacientes com doenças autoimunes que deixam o sistema imunológico fraco;
  • Alteração da sensibilidade no rosto, não diferenciando o frio do calor.

Ao fazer a radiofrequência no rosto, tendo alguma dessas condições, pode ter o risco de febre, piorar a infeção, ter queimaduras ou até não alcançar o resultado esperado.

Enfim, aproveite para conferir também opções de cremes caseiros para rugas.

Fontes: Tua Saúde Mitras Estética Manual da Beleza 

Bibliografia: 

  • GENTILE, Richard D.; et al. Radiofrequency Technology in Face and Neck Rejuvenation. Facial Plast Surg Clin North Am. 26. 2; 123-134, 2018
  • EL-DOMYATI, Moetaz; et al. Radiofrequency facial rejuvenation: evidence-based effect. J Am Acad Dermatol. 64. 3; 524-535, 2011

Próxima página »

Escolhidas para você

Comentários

0 0 votos
Dê a sua opinião

guest
0 Comentários
Feedbacks
Ver todos os comentários

Escolhidas para você