Relactação: como é a técnica para voltar a amamentar?

A relactação é uma técnica usada para amamentação quando a mãe não tem leite suficiente ou quando o bebê não consegue mamar naturalmente.

A relactação é uma técnica usada no caso em que as mães não conseguem amamentar o bebê, seja pela falta de leite materno ou até mesmo quando o bebê não consegue sugar o leite da mãe. Portanto, a relactação é fundamental para alimentar o bebê, quando não é possível fazer naturalmente. 

Então, é dado ao bebê o leite materno, de origem animal ou de fórmulas por meio de uma sonda, usando um kit de relactação. A medida é fundamental para muitas mulheres que não conseguem produzir leite ou que não tem a quantidade de leite suficiente, ou quando o bebê não consegue mamar sozinho. Além disso, a relactação também pode ser útil para mães adotivas ter o momento da amamentação com o bebê.

Enfim, a seguir vamos entender melhor o que é e como funciona a relactação.

O que é e para que serve a relactação?

Então, como vimos acima, a relactação é uma medida usada para alimentar um bebê quando a amamentação não pode ser feita de outra forma. Além disso, a técnica também é usada para estimular a produção de leite materno ou então, complementar a alimentação do bebê.

São vários fatores que podem impossibilitar a mulher de amamentar o seu bebê naturalmente. Como por exemplo, quando não há produção de leite, ou até tem, mas não o suficiente para o bebê. Ou por motivos de saúde, a mãe teve que pausar a amamentação, por uso de remédios. Quando o bebê, principalmente nos casos de prematuros, não consegue ainda sugar com destreza o leite do peito da mãe.

Além disso, a relactação também pode ser útil quando o bebê parou de mamar no peito por um período, como é o caso de bebês prematuros que não tem a amamentação iniciada após o nascimento e até mesmo para mães adotivas que não gestaram o bebê e por isso não tem produção de leite.

Como funciona?

Quando se fala em relactação, parece ser um processo bem complexo. Mas não, na verdade é mais simples do que se imagina.

Para fazer a relactação, uma sonda é acoplada a um potinho contendo leite, que idealmente deve ser materno, que é o único alimento que deveria ser dado ao bebê até o seus 6 meses de vida. Contudo, quando não for possível extrair o leite materno, é possível usar uma fórmula indicada pelo pediatra.

Sendo assim, a sonda é colocada no seio da mãe, rente ao bico do peito, e tem um canudo para que o bebê sugue os dois simultaneamente. Sendo assim, conforme o bebê suga o canudinho e o seio da mãe, essa ação estimula a produção do leite materno. 

Quando fazer?

A relactação deve ser aderida principalmente quando a mulher não conseguir amamentar seu bebê de forma natural. Ou por recomendação médica, quando a amamentação precisa ser complementada, ou quando o bebê não consegue mamar a quantidade necessária.

Também é indicada quando mãe não tem leite, ou não conseguiu amamentar devido ao uso de medicamentos que atrapalham a lactação. Além disso, pode ser usada no caso de mães de recém-nascidos adotado, que querem estimular a produção de leite.

No caso de bebês prematuros, a relactação também pode ser necessária, devido ao pequeno não conseguir sugar o leite ou tenha alguma condição que o impeça de fazer tal esforço. Exemplos disso, são bebês com síndrome de Down ou que tenham doenças neurológicas. Ou então, no caso de baixo pesou ou rejeição da mama.

Quanto tempo demora a relactação?

Não há um tempo determinado, então, não é como se tivesse um período mínimo ou máximo para fazer relactação. Isso dependerá de vários fatores e varia de caso para caso. Enquanto o bebê a mãe precisar aderir a técnica.

Porém, apesar do procedimento não ter nenhuma contraindicação, é fundamental ter um acompanhamento profissional adequado, que poderá orientar a mãe sobre a forma certa de fazer a relactação, e o tempo necessário no seu caso.

Diferenças entre relactação e translactação

Na verdade, a relactação e translactação são basicamente a mesma coisa, a diferença é o tipo de alimento usado em cada técnica.

Na translactação é usada a sonda para o bebê conseguir mamar a partir do seio da mãe, mas com a ajuda da sonda, assim como acontece na relactação. A diferença é que na relactação pode usar o leite materno com a adição de fórmulas para complementar a alimentação, enquanto a translactação é usado somente o leite materno quando o bebê não consegue sugar o leite diretamente do peito da mãe.

LEIA MAIS:

Bibliografia:

  • BONILHA, Ana Lucia de Lorenzi, REZENDE, Magda Andrade. Aleitamento natural e relactação – Atuação da enfermeira. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/reeusp/a/vmnqrgbGz9vTP7FB3xJBMpj/abstract/?lang=pt >. Acesso em 29 out 2022
  • BORDALO, Joana Daniel. Aleitamento Materno: Relactação e Lactação Induzida.
  • Disponível em: <https://www.proquest.com/openview/f5355c380460020900a0b200e664ef0e/1?pq-origsite=gscholar&cbl=2026366&diss=y >. Acesso em 29 out 2022
  • BVS ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE. Quais as orientações para o uso da técnica de relactação/translactação?. Disponível em: <https://aps.bvs.br/aps/quais-as-orientacoes-para-o-uso-da-tecnica-de-relactacao-translactacao/>. Acesso em 29 out 2022
  • 2. Oliveira TL, Moraes BA, Salgado LLF. Relactação como possibilidade terapêutica na atenção a lactentes com necessidades alimentares especiais. Demetra: Alimentação, Nutrição e Saúde. 2014;9(supl.1):297-309. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/demetra/article/viewFile/10528/9708

Fontes: Grudado em Você Visão Hospitalar Crescer Tua Saúde 


Outras postagens

0 0 votos
Dê a sua opinião

guest
0 Comentários
Feedbacks
Ver todos os comentários