Moda

História da Balenciaga e seu império de luxo e glamour

A notável história de Cristóbal Balenciaga e a trajetória de sua marca, que conseguiu voltar à alta-costura depois de anos no esquecimento.

A alta-costura, para François-Henri Pinault, CEO da Kering, é a expressão máxima de liberdade criativa na moda, já que não há compromissos com a produção industrial, estimativas de custos e publicidade. Nesse sentido, depois de 53 anos, a irreverente marca Balenciaga voltou à semana luxuosa da moda e fez seu retorno triunfal à alta-costura em 2021.

Nesse sentido, o consagrado fundador da grife, Cristobal Balenciaga, revolucionou a moda e tinha a perfeição como meta. Contudo, apesar do sucesso conquistado, Cristobal veio de origem humilde e possui uma história de vida admirável.

Por isso, abordaremos, a seguir, os aspectos mais importantes da história da Balenciaga, a marca glamourosa que arrancou elogios de Coco Chanel, Christian Dior e de toda elite social da época. Vamos lá?

A história de Cristóbal Balenciaga

Primeiramente, Cristóbal Balenciaga Eizaguirre nasceu em  21 de janeiro de 1895, na cidade de Getaria, Espanha. Sobretudo, veio de uma família simples, a mãe era costureira -com a qual já compartilhava o dom- e o pai pescador.

Ainda cedo, foi apadrinhado pela Marquesa de Casa Torrés, o que seria a primeira reviravolta de sua vida. A marquesa apresentou ao jovem o mundo da alta-costura e, para ela, ele desenhou seu primeiro vestido, com apenas 12 anos.

O alfaiate era conhecido por ser discreto e reservado, o que chamava a atenção, por ser contrário aos seus concorrentes. Além disso, era dono de uma personalidade forte e admirado por outros ícones da moda, como Coco Chanel.

A trajetória para o surgimento da marca

Balenciaga - a história da marca glamourosa com estilo único

Em 1918, o espanhol Cristóbal se formou alfaiate e abriu seu primeiro ateliê, localizado no centro da cidade de San Sebastian. Ao passo que, frequentado por mulheres muito influentes, o sucesso do ateliê foi tão grande que possibilitou sua expansão. Assim, foram abertas mais duas unidades, uma em Barcelona e Madri, que atendiam até a Família Real e os membros da alta corte espanhola. Isso que é poder!

Entretanto, apesar do sucesso, com o início da Guerra Espanhola em 1936, o costureiro precisou fechar as portas e sair do país. Se estabeleceu em Londres por um tempo, mas, logo depois, mudou-se para Paris. E foi na cidade luz que a grife começou a consolidar seu lugar na história.

Surge, então, a Maison Balenciaga, inaugurada por Cristóbal e seus dois sócios, Wladzio Jaworowski e Nicolás Bizcarrondo. Dessa forma, o corte e costura impecáveis da Balenciaga se aliaram a moda parisiense. De modo que, o estilista usou as tendências nacionalistas em sua marca para cativar o público e foi muito bem acolhido. Muito esperto, não é mesmo?

O estilo Balenciaga

A marca de Cristóbal sempre teve forte influência da cultura espanhola. Por exemplo, o constante uso de vermelho nos artigos de luxo e as inspirações nos artistas espanhóis aclamados da época. Além disso, o costureiro fazia uso de azul turquesa e bustos volumosos como alusão às touradas, danças flamencas e os bailes noturnos da Espanha.

A alta qualidade dos tecidos e da costura sempre foi um diferencial para a Balenciaga. As coleções, de tirar o fôlego, contavam com cinturas justas, quadris marcados com drapeados e recorte quadrado. Muita ousadia e criatividade para uma marca só.

Uma curiosidade da marca é que, Cristobal sempre lançava suas coleções após a temporada oficial de desfiles. Sendo assim, a Balenciaga não disputava holofote com outras grifes nas maratonas da moda. Nesse sentido, também passou a ter exclusividade com a Harper’s Bazaar e a Vogue, além de que a última, era a única que possuía autorização para fotografar os desfiles. Truque de mestre!

A queda e esquecimento da Balenciaga

Balenciaga - a história da marca glamourosa com estilo único

Nos anos de ouro da década de 50, a Balenciaga lançou coleções que entraram para história. Em outras palavras, os famosos vestidos pretos, vestido camisa, cauda de pavão, jaquetas oversized e boleros foram memoráveis.

Em contrapartida, a modernidade mudou a maneira das mulheres se vestirem e, assim, a partir da década de 60, a grife espanhola deixou de ter o mesmo destaque de antes. Cristóbal decidiu se aposentar em 1972, e veio a falecer no mesmo ano. Como resultado, a marca caiu no esquecimento por muito tempo.

A ascensão da grife e os dias atuais

Balenciaga - a história da marca glamourosa com estilo único

Em 1997, anos após a queda da marca, o francês Nicolas Ghesquière foi contratado e levou a grife de volta aos holofotes. Já em 2015, depois de um excelente trabalho de Guesquiére, entrou em cena o estilista Demna Gvasalia, responsável pela volta da Balenciaga à alta-costura.

Desde então, a marca se encontra cada vez mais em evidência, sendo sucesso absoluto em todo mundo. Dentre os produtos mais marcantes, podemos destacar as bolsas e tênis Balenciagas, que são de arrancar suspiros e levam o legado de Cristóbal adiante.

Então, o que achou dessa matéria? Se gostou, confira também:  Fendi, qual a história da marca?

Próxima página »

Escolhidas para você

Comentários

0 0 votos
Dê a sua opinião

guest
0 Comentários
Feedbacks
Ver todos os comentários

Escolhidas para você