Maternidade

Dor ao amamentar – Causas e como evitar o desconforto para a mãe

A dor ao amamentar é comum e até esperada nos primeiros dias após o parto. Contudo, se o desconforto continuar após isso, pode ser um problema.

Atualizado em 08/10/2020

Como sabemos, o leite materno é o alimento mais completo para o bebê. Por isso, que a amamentação é tão importante nos primeiros meses de vida. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o ideal é que o leite materno seja o principal alimento do bebê pelo menos até os seis meses de idade. Contudo, apesar de necessária, a amamentação pode ser um processo difícil para a mãe. Sendo assim, muitas mulheres sentem dor ao amamentar.

Uma coisa é fato, nos primeiros dias de amamentação é totalmente normal e até esperado algum desconforto por parte da mulher. Afinal, o corpo da mulher passa por muitas mudanças durante a gestação e após o parto, e por ser uma coisa nova, ela pode sim sentir dor ao amamentar. Contudo, isso pode ser um problema se a dor continuar depois da fase de adaptação, tanto da mãe quanto do bebê.

São varias as causas da dor ao amamentar, sendo a principal delas a pegada inadequada por parte do bebê. Mas outros fatores podem causar esse desconforto. Sendo assim, hoje iremos entender melhor sobre a amamentação e as causas da dor ao amamentar, além é claro de dicas para evitar o desconforto.

Dor ao amamentar

Pais & Filhos

É totalmente normal nos primeiros dias depois do parto a mãe sentir um certo desconforto nos seios. Normalmente, se trata de uma dor moderada, nada muito grave. Isso é explicado pelo fato de que os seios estão se preparando para a produção e descida do leite materno. É nessa fase que é produzido o colostro, o primeiro leite, aquele rico em vitaminas e anticorpos essenciais para os recém-nascidos.

Então, como as mamas fica maiores e cheias de leite, bem como mais quentes que o normal, é comum sentir dor ao amamentar. Além das mudanças no corpo da mulher, a sucção do bebê pode provocar um desconforto e dor nos primeiros cindo dias. Depois disso, a mãe e o bebê começam se adaptar à amamentação, diminuindo o desconforto e a dor ao amamentar.

Contudo, se a dor ao amamentar continuar depois de uma semana, ou pior, se os seios apresentarem fissuras e feridas, é importante consultar um médico. Isso porque já não se trata de algo normal, é preciso investigar a causa da dor para resolver o problema, que pode ser sério. Afinal, quando a dor é muito forte, além do desconforto para a mãe, o bebê pode não conseguir mamar plenamente, comprometendo a sua nutrição.

Principais causas da dor ao amamentar

Sempre Família

A principal causa da dor ao amamentar é a pegada incorreta do bebê. Como consequência, além de dificultar a mamada afetando a alimentação do bebê, uma pegada inadequada pode resultar em feridas nos seios devido ao excesso de fricção.

Contudo, isso é comum apenas nas primeiras mamadas, quando a primeira fisgada do bebê pode machucar levemente o bico do peito. Isso é mais intensificado quando há uma rachadura ou fissura na mama. Outro fator que influencia diretamente na dor ao amamentar são os seios sensíveis, principalmente na região do bico do peito, que é mais suscetível a lesões.

A mama muito cheia também pode causar dor ao amamentar. Além disso, mesmo em casos de pegada correta, pode ocorrer ainda o princípio de ingurgitamento mamário, o famoso “leite empedrado”. Isso é mais comum em mães de primeira viagem, e também nos primeiros dias após o parto. O ingurgitamento mamário nada mais é do que uma obstrução do fluxo de leite, que ocorre principalmente quando não há a livre demanda ou quando o bebê não sente muita fome.

Sendo assim, com a obstrução do leite, a mama tende a ficar vermelha e mais enrijecida em alguns pontos, deixando o bico do peito mais achatado, o que dificulta a sucção do bebê, causando dor na mãe. Nesse caso, é importante tratar o problema para que não evolua para uma inflamação das mamas. Desse modo, pode ser necessário o uso de anti-inflamatórios e antitérmicos.

E por último, outra causa comum e que pode dificultar a amamentação e causar desconforto é a cirurgia corretiva de mamas prévia.

Pegada correta

Unimed

Como dito anteriormente, a pegada incorreta é uma das principais causas de dor ao amamentar. Por isso é muito importante ajudar o bebê a ter uma pegada correta. Para que assim, tanto a mãe quanto o bebê estejam confortáveis durante a amamentação. Sendo assim, alguns pontos podem indicar quando a pegada do bebê está adequada:

  • Primeiramente, a boca do bebê deve estar bem aberta, e os lábios virados para fora.
  • O bebê deve “abocanhar” toda a aréola do seio, por completo.
  • O queixo do bebê deve encostar na mama e as narinas devem ficar livres para que ele possa respirar.
  • A bochecha dele deve encher conforme ele suga o leite.
  • O corpo do bebê deve ficar todo voltado para o corpo da mãe, ficando barriga com barriga.
  • O bebê deve estar sugando o leite de forma profunda e regular, com sugadas curtas intercaladas por pausas.

Dicas para evitar a dor ao amamentar

Bebê

Além de ajudar o bebê a ter uma pegada correta desde a primeira mamada, algumas dicas pode ajudar a prevenir e aliviar a dor ao amamentar. Confira a seguir:

  • No caso de mama muito cheia, a dica é extrair o leite manualmente ou com uma bombinha a cada 4 horas, se não for amamentar nesse período.
  • Evite dar chupeta ao bebê logo nos primeiros dias. Isso pode atrapalhar o bebê a sugar o peito de maneira adequada.
  • Antes de amamentar, uma boa dica é fazer uma leve massagem no seio. Faça movimentos circulares ao redor da mama e depois ao redor da aréola. Isso também é indicado no caso de ingurgitamento mamário, já que a massagem ajuda a fluidificar o leite empedrado.
  • Para mulheres com mamas planas ou invertidas, a massagem ou sucção com bombinha antes da mamada, pode ajudar o bebê a pegar corretamente o peito.
  • Usar um sutiã confortável e de tamanho adequado ajuda na sustentação da mama, mantendo os ductos em posição anatômica.
  • Fazer amamentação em livre demanda.
  • Quando possível, deixar os peitos ao ar livre ou à luz solar para secar naturalmente. Evite usar produtos secantes com álcool ou sabão, que podem remover a proteção natural do seio.
  • Se for necessário interromper a mamada, a dica é colocar o dedo indicador na boca do bebê para que a sucção seja interrompida de forma natural, e não abrupta.

Enfim, o que você achou dessa matéria? Aliás, aproveite para conferir também Amamentação – Dicas e benefícios do hábito de amamentar.

Fontes: Gazeta do Povo Pais & Filhos Unimed 

Imagem destacada: Bebê

Imagens: Pais & Filhos Sempre Família Unimed  Bebê